O Jornal mais lido de Pinhais

Get Adobe Flash player

Investimento em lâmpadas LED, parceria resolver problemas e energia solar são alguns exemplos

Pinhais é referência na implantação de tecnologia em prol dos seus cidadãos. Na iluminação pública são vários os exemplos, entre eles a instalação de lâmpadas com tecnologia LED nas ruas da cidade. Este trabalho foi intensificado em 2017 e é realizado por meio da Secretaria Municipal de Obras Públicas (Semop). O “Light Emitting Diode”, em português Diodo Emissor de Luz, tem muitas vantagens em comparação com a iluminação tradicional, entre elas: mais durável e econômica, melhor qualidade da luz, produção de pouco calor, não têm agentes tóxicos e também não causa impactos ao meio ambiente.

Somente neste ano, algumas ruas de Pinhais já receberam, e em outras ainda terão a substituição por iluminação LED, entre elas estão as ruas Wanda dos Santos Mallmann e Nossa Senhora da Boa Esperança (Centro), Rio Paranapanema (Weissópolis), Helena Bachmann Muhlmann, Tiziu e Clemente Itsyo Horikoshi (Jardim Cláudia), Maria Antonieta Santos e Augusto Trevisan (Maria Antonieta), Juscelino Kubitschek (Jardim Amélia), Parque Linear Atuba e Avenida Maringá (Emiliano Perneta), Artur Nehring (Atuba), Jacob Macanhan (Pineville), Clóvis Beviláqua (Vargem Grande) e Avenida Ayrton Senna da Silva.

Parceria
De responsabilidade do governo do Estado, a Rodovia Deputado João Leopoldo Jacomel (PR 415) é uma importante via de Pinhais que liga Curitiba a Piraquara. Para resolver a iluminação pública em seus 6 km de extensão, a Prefeitura firmou parceria com o governo estadual e investiu com recursos próprias na solução desse problema que afetava não somente a população de Pinhais. 

Energia Solar
Outro exemplo da tecnologia de iluminação pública realizada pela Prefeitura e que gera muitas vantagens para o município é o sistema solar instalado no Parque das Águas. Com baixa taxa de manutenção, esta tecnologia é limpa e renovável. Por meio de placa fotovoltaica a energia solar é captada e armazenada em bateria. Ao anoitecer, a luminária com lâmpadas LED acende automaticamente em uma intensidade baixa.

Engavetamento com 22 veículos provocou a tragédia, no fim da noite de domingo (2), segundo a PRF. Testemunhas relatam queimada perto da rodovia e baixa visibilidade.

Por G1 PR — Curitiba

03/08/2020 00h34  Atualizado há 19 minutos


Acidente deixa pelo menos oito mortos na BR-277, no sentido litoral do PR
 

Oito pessoas morreram e pelo menos 23 ficaram feridas em um engavetamento entre 22 veículos por volta das 22h30 de domingo (2), na BR-277, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, no sentido litoral do Paraná.

A informação foi confirmada pelos bombeiros e pela Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Sete vítimas morreram no local e uma delas morreu posteriormente, no Hospital Cajuru. A informação da morte da oitava vítima foi confirmada pelo IML. O órgão confirmou ainda que ao todo são 5 mulheres e três homens que morreram.

(CORREÇÃO: O G1 errou ao informar que o acidente deixou pelo menos 30 feridos. A informação tinha sido repassada pela PRF, que informou posteriormente que são pelo menos 23 vitimas feridas. O erro foi corrigido às 6h22 de segunda-feira, 3).

 

Como aconteceu o acidente

 

De acordo com a Ecovia, empresa concessionária que administra o trecho, o engavetamento aconteceu no km 77, perto da Avenida Rui Barbosa, em São José dos Pinhais.

De acordo com o Coronel Prestes, que participou do atendimento às vítimas, o acidente envolveu cinco motocicletas, 16 carros, sendo um da Polícia Militar, e um caminhão. Todos os feridos foram encaminhados para hospitais da região.

Ainda conforme os bombeiros, tudo começou com um primeiro acidente envolvendo alguns carros, sem gravidade.

O caminhão, conforme os socorristas, vinha atrás e tentou desviar dos veículos, mas acabou atropelando quatro ocupantes dos carros que estavam aguardando na lateral da pista. Depois disso, os outros veículos envolvidos também colidiram atrás, ainda conforme os bombeiros.

Tragédia na BR-277 envolveu 22 veículos, segundo a Polícia Rodoviária Federal  — Foto: Cícero Bittencourt/RPC

 

Focos de fumaça e neblina no trecho

 

Testemunhas disseram que havia uma queimada perto do local atrapalhando a visão de quem dirigia pela estrada. A informação foi confirmada pelo Corpo de Bombeiro e também pela PRF, que também falou sobre a intensidade da neblina no trecho.

"Os focos de fogo à beira das rodovias, eles podem gerar esse tipo de situação em qualquer rodovia do estado do Paraná e do Brasil. Estamos em um período de estiagem, temos alertado veementemente isso todo dia para que a população nos ajude cuidando dessa situação. Nossos atendimentos de incêndio florestal aumentaram 78% em relação ao ano passado", contou o coronel Prestes.

Ele disse que se não houver uma cooperação, podem acontecer outras tragédias nas rodovias.

Ainda de acordo com a PRF, a pista no sentido litoral chegou a ficar totalmente interditada por várias horas, mas, na manhã desta segunda (3), o trecho já tinha sido liberado.

 

 

f: G1

A Prefeitura liberou a utilização destes veículos para transporte de trabalhadores, como resultado de uma ação conjunta com Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Pinhais (Acipi) e proprietários destes veículos

Atualmente, a Prefeitura de Pinhais tem 130 profissionais cadastrados e aptos a atuar com transporte escolar no município. Em uma recente decisão, a administração municipal autorizou a utilização destes veículos para transporte de trabalhadores, durante a pandemia. Este foi o resultado de uma ação conjunta entre Prefeitura; Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Pinhais (Acipi) e proprietários destes veículos.

Representantes de todos os segmentos envolvidos estiveram reunidos próximo ao Parque das Águas, na manhã desta quinta-feira (23). Segundo o secretário de Desenvolvimento Econômico de Pinhais (Semde), Emerson Santana Bento, esta liberação para o transporte escolar é válida durante a situação de emergência em saúde. “Os proprietários destes veículos foram afetados pela ocorrência da pandemia, uma vez que as aulas estão suspensas durante este período, e esta foi uma forma de auxiliarmos este setor”, ressalta o secretário.

Os contratos serão firmados diretamente entre as empresas e os profissionais responsáveis pelo transporte escolar. Porém, a Prefeitura, por meio da Semde, além de todo o respaldo também irá disponibilizar o canal de divulgação dos transportes habilitados no município. Assim como a Acipi irá intermediar o contato entre os interessados até que se firme o contrato específico com as empresas.

O presidente Acipi, Ivaldo Sá Barreto Filho, destaca o papel da instituição nesta iniciativa. “A Acipi apoia integralmente a decisão do poder público em amparar os proprietários do transporte escolar para que atuem junto às empresas. Quem está atuando junto a Prefeitura é a Câmara Setorial dos Advogados da Acipi, e naturalmente eles vão elaborar um parecer para que o empresário se sinta seguro em contratar esta modalidade de transporte”, destacou Ivaldo Sá Barreto Filho.

Representando os proprietários do transporte, Pedro Nisz, também falou sobre a expectativa para que a ação seja efetivada. “Em conversa com o grupo, sabendo da necessidade de cada, porque fomos diretamente afetados por esta situação, resolvemos procurar a Prefeitura para nos auxiliar de alguma forma. Então conseguimos através do decreto, e tivemos o apoio também da Acipi e hoje estamos aqui, esperando que as coisas caminhem, afinal de contas estamos há quatro meses parados”, declarou ele que trabalha no setor há 13 anos em Pinhais.

As fotos foram registradas no final de 2019, e por conta da pandemia do novo Coronavírus, as gestantes receberam os fotolivros no mês de julho

 

Durante o mês de julho, as gestantes acompanhadas pelo projeto Gestação com Informação receberam um presente especial, um fotolivro, resultado de um ensaio fotográfico realizado no final do ano passado. Foram contempladas 29 gestantes que participaram regularmente do projeto nos Centros de Referência de Assistência Social – Cras Norte, Sul, Leste e Oeste, e também mamães que tiveram recentemente os bebês.

Os fotolivros foram resultado de uma parceria da Secretaria de Assistência Social com o Departamento de Comunicação, que por meio do olhar do fotógrafo Roberto Dziura Junior, pode captar esse momento único na vida de cada mulher. “Ao prepararmos essa gestante para o ensaio, estamos contribuindo com a autoestima, aceitação, afetividade, vínculo intrauterino e na própria identidade da mãe com o bebê, refletido num registro e na própria fotografia, a qual expressa vínculo e amor através dessa recordação. Mas, não é apenas a expressão de uma fotografia, e sim, um momento carregado de significado, histórias, sonhos, expectativas, o qual poderá refletir significativamente no vínculo familiar”, explica a gerente de Serviços e Benefícios de Proteção Social Básica, Micheli Strapasson Ribeiro.

Esta é uma ação que vem se aperfeiçoando cada vez mais. Em 2015, a Assistente Social e técnica de referencia do grupo, Simone Haertel, propôs a realização do fotolivro e o projeto acabou se expandindo para os quatro Cras. Neste período o ensaio era promovido pela própria equipe dos Cras, que em seus esforços faziam as fotografias, montavam cenários e contribuíam com a maquiagem e arrumação dos cabelos. “No decorrer dos anos pudemos contar com o apoio de mais colaboradores e inclusive fotógrafos profissionais, voluntários, que com amor deixaram as fotografias com mais qualidade e profissionalismo”, comenta Micheli.

Além dos fotolivros, conforme o parto se aproxima as gestantes também recebem o Kit Natalidade e ainda participam dos encontros que ocorrem, mensalmente, nos Cras. Nestas reuniões são realizadas diversas ações, entre elas palestras socioeducativas, orientações com objetivo do acompanhamento da família em situação de vulnerabilidade - decorrente de renda ou de vínculos fragilizados - prevenindo situações de risco.

Gestação com informação

O projeto Gestação com Informação completa 10 anos na Assistência Social e foi idealizado pela psicóloga Luciana Anselmo Macena. A proposta visa encontros de troca de experiência entre gestantes com o objetivo de auxiliar no preparo para este momento importante e também fortalecer os vínculos com o seu bebê. O projeto disponibiliza oficinas temáticas abertas, atividades coletivas de vivência e experimentações, que muitas dessas mulheres nunca tiveram aproximação. Entre as atividades realizadas durante a proposta do projeto estão, a oficina de papinha, oficina de massagem shantala, brincando de chá de bebê e o fotolivro especial.

As gestantes do Projeto “Gestação com Informação” têm prioridade no recebimento do benefício do Kit natalidade, composto por itens como: banheira, roupinha, material de higiene, toalha, cobertor.

Moradora de Pinhais perdeu um tio e teve vários parentes com sintomas graves da doença

 


 
Uma doença capaz de infectar de maneira rápida e que ainda não tem cura. Há mais de 4 meses vivemos uma pandemia com a qual nunca imaginamos lidar. São várias as frentes de pesquisa, mas a melhor forma de combater a Covid-19 é não pegando a doença. Prevenção e cuidado, estas são as palavras de ordem neste cenário.
 
(Foto: SMCS)

 

Nesse tempo, muitas foram as pessoas que tiveram contato com a doença, muitos se recuperaram, porém muitas vidas se perderam. Os relatos nem sempre ganham a atenção devida, mas o alerta é sempre válido. “Quem tem ou teve a Covid-19 e foi da forma mais leve, deve agradecer a Deus, porque não é uma gripe forte, é uma doença que suga nossas forças, que tira nossa energia. Não nos deixa seguir a vida, nos incapacita a continuar, porque a falta de ar e o cansaço são fortes demais”, conta a moradora do bairro Weissópolis, Lisianne Motta. Além dela, outros seis familiares seus contrariam a doença.

Lisianne relata que, no dia 26 de junho, sua mãe sentiu sintomas leves de gripe, dor de cabeça e de garganta e achou que era um resfriado. “Dois dias depois, sentiu enjoo após almoçar e os sintomas gripais aumentaram, com febre, dor de cabeça e tosse. No dia 30 de junho, ela foi até a Unidade de Saúde para fazer o teste da Covid; foi orientada a fazer um raio-x do pulmão”, conta.

No dia 1º de julho foi a vez de Lisianne e do pai apresentarem alguns sintomas. “Comecei a sentir dor de cabeça forte e dor de garganta. E meu pai começou a tossir e ter dor de garganta. No dia seguinte, bem cedo fui até a Unidade de Saúde do Weissopólis e lá fiz o teste. Meu irmão e minha irmã também haviam acordado sentindo sintomas de gripe. Orientei que procurassem a Unidade de Saúde para que fizessem o teste. O mesmo aconteceu com minha tia de 67 anos”, relata.

“Ficamos todos em isolamento. Dias depois veio a confirmação, todos nós testamos positivo. Continuamos em isolamento cada um em sua casa, porém minha mãe e meu pai começaram a ter muita dificuldade para respirar. No dia 7 de julho, após contato com a unidade de saúde, os levei para o hospital. Na triagem minha mãe foi separada de nós, porque estava com pouca oxigenação. Portanto, foi receber oxigênio imediatamente e dali foi internada, porém não havia vaga no hospital em que estávamos teriam de verificar para qual hospital ela iria. Eu estava com febre, muita tosse e alguma falta de ar também, mas ainda tinha que levar meu pai para consultar”.

Segundo Lisianne, ele estava com algumas alterações, mas o médico autorizou que voltasse para casa, com a indicação de que se piorasse deveria retornar ao hospital. “Meu pai voltou para casa e continuei no hospital até a madrugada do dia seguinte, na espera de uma vaga e da ambulância especial que faz a remoção de pacientes com Covid. Conseguimos uma vaga para minha mãe no Hospital São Vicente na madrugada do dia 8 de julho”, relembra.

Na manhã seguinte, Lisianne foi encaminhada para fazer um raio-x e detectaram que ela estava com pneumonia. “Uma sequela causada pela infecção da Covid. Comecei o tratamento com antibióticos e corticoide. No dia seguinte, minha tia, que estava hospedada em minha casa, começou a passar muito mal. Levei-a ao hospital. Após a consulta foi internada; felizmente havia vaga no próprio hospital”.

E as idas e vindas a hospitais não pararam por aí. “Dia 10 de julho, eu estava me sentindo muito mal, porém minha irmã estava precisando de socorro para ir para o hospital, por falta de ar e ela também foi internada. No dia seguinte, meu pai teve uma piora, além da febre e falta de ar, sentia muita dor no peito e cansaço. Meu irmão o levou ao hospital, onde foi internado direto, encaminhado para o oxigênio, pois a falta de ar estava intensa. Sorte que tinha vaga. Ainda nesse dia soubemos que nosso tio estava sedado e entubado no também por causa de Covid. Em nenhum momento tivemos contato com ele, foi uma triste coincidência da vida”.

Dia 12 de julho, domingo, tentei contato com meu irmão, foi difícil conseguir, pois ele se sentia muito cansado até para atender ao telefone. Fomos para a UPA, ele fez radiografia e acabou ficando internado por lá. No dia seguinte minha irmã recebeu alta, mas meu irmão foi transferido para o Hospital do Trabalhador, foi internado na UTI. Os médicos me falavam que havia a possibilidade dele ser entubado. Senti muito medo”, desabafa.

Na semana passada, Lisianne parou de ter febre, mas os demais sintomas não diminuíam. “Em contraponto, minha mãe teve alta e no outro dia meu pai também. Contei aos meus pais sobre o estado de meu irmão e o risco que estava correndo. Minha mãe teve uma piora e na última sexta-feira (17) foi internada novamente diagnosticada com embolia pulmonar e está em tratamento”.

No domingo (19), o irmão dela saiu da UTI e nesta quinta-feira (23) recebeu alta. O tio apresentou melhora por algum tempo, mas infelizmente não resistiu. E como se não bastasse perder um ente querido, em tempos de pandemia não há espaço para despedidas. “Dia 22 de julho, quarta feira, recebemos a pior notícia, meu tio havia falecido. Não haveria nenhum tipo de homenagem, nem rápida, o enterro é classificado como ‘direto’, não há direito de nenhum familiar ver o falecido, o corpo sai do hospital e, no caso dele, foi direto para o crematório”, relata Lisianne.

A mensagem que ela deixa a todos é enfática. “Se cuidem, cuidem de quem vocês amam. É impossível saber se vai ser acometido com a forma leve ou a forma grave da doença. E posso garantir que ficar doente é ruim, mas é o de menos; muito pior é ver quem amamos sofrendo”, conclui.

 

Moradora de Pinhais perdeu um tio e teve vários parentes com sintomas graves da doença

 


 
Uma doença capaz de infectar de maneira rápida e que ainda não tem cura. Há mais de 4 meses vivemos uma pandemia com a qual nunca imaginamos lidar. São várias as frentes de pesquisa, mas a melhor forma de combater a Covid-19 é não pegando a doença. Prevenção e cuidado, estas são as palavras de ordem neste cenário.
 
(Foto: SMCS)

 

Nesse tempo, muitas foram as pessoas que tiveram contato com a doença, muitos se recuperaram, porém muitas vidas se perderam. Os relatos nem sempre ganham a atenção devida, mas o alerta é sempre válido. “Quem tem ou teve a Covid-19 e foi da forma mais leve, deve agradecer a Deus, porque não é uma gripe forte, é uma doença que suga nossas forças, que tira nossa energia. Não nos deixa seguir a vida, nos incapacita a continuar, porque a falta de ar e o cansaço são fortes demais”, conta a moradora do bairro Weissópolis, Lisianne Motta. Além dela, outros seis familiares seus contrariam a doença.

Lisianne relata que, no dia 26 de junho, sua mãe sentiu sintomas leves de gripe, dor de cabeça e de garganta e achou que era um resfriado. “Dois dias depois, sentiu enjoo após almoçar e os sintomas gripais aumentaram, com febre, dor de cabeça e tosse. No dia 30 de junho, ela foi até a Unidade de Saúde para fazer o teste da Covid; foi orientada a fazer um raio-x do pulmão”, conta.

No dia 1º de julho foi a vez de Lisianne e do pai apresentarem alguns sintomas. “Comecei a sentir dor de cabeça forte e dor de garganta. E meu pai começou a tossir e ter dor de garganta. No dia seguinte, bem cedo fui até a Unidade de Saúde do Weissopólis e lá fiz o teste. Meu irmão e minha irmã também haviam acordado sentindo sintomas de gripe. Orientei que procurassem a Unidade de Saúde para que fizessem o teste. O mesmo aconteceu com minha tia de 67 anos”, relata.

“Ficamos todos em isolamento. Dias depois veio a confirmação, todos nós testamos positivo. Continuamos em isolamento cada um em sua casa, porém minha mãe e meu pai começaram a ter muita dificuldade para respirar. No dia 7 de julho, após contato com a unidade de saúde, os levei para o hospital. Na triagem minha mãe foi separada de nós, porque estava com pouca oxigenação. Portanto, foi receber oxigênio imediatamente e dali foi internada, porém não havia vaga no hospital em que estávamos teriam de verificar para qual hospital ela iria. Eu estava com febre, muita tosse e alguma falta de ar também, mas ainda tinha que levar meu pai para consultar”.

Segundo Lisianne, ele estava com algumas alterações, mas o médico autorizou que voltasse para casa, com a indicação de que se piorasse deveria retornar ao hospital. “Meu pai voltou para casa e continuei no hospital até a madrugada do dia seguinte, na espera de uma vaga e da ambulância especial que faz a remoção de pacientes com Covid. Conseguimos uma vaga para minha mãe no Hospital São Vicente na madrugada do dia 8 de julho”, relembra.

Na manhã seguinte, Lisianne foi encaminhada para fazer um raio-x e detectaram que ela estava com pneumonia. “Uma sequela causada pela infecção da Covid. Comecei o tratamento com antibióticos e corticoide. No dia seguinte, minha tia, que estava hospedada em minha casa, começou a passar muito mal. Levei-a ao hospital. Após a consulta foi internada; felizmente havia vaga no próprio hospital”.

E as idas e vindas a hospitais não pararam por aí. “Dia 10 de julho, eu estava me sentindo muito mal, porém minha irmã estava precisando de socorro para ir para o hospital, por falta de ar e ela também foi internada. No dia seguinte, meu pai teve uma piora, além da febre e falta de ar, sentia muita dor no peito e cansaço. Meu irmão o levou ao hospital, onde foi internado direto, encaminhado para o oxigênio, pois a falta de ar estava intensa. Sorte que tinha vaga. Ainda nesse dia soubemos que nosso tio estava sedado e entubado no também por causa de Covid. Em nenhum momento tivemos contato com ele, foi uma triste coincidência da vida”.

Dia 12 de julho, domingo, tentei contato com meu irmão, foi difícil conseguir, pois ele se sentia muito cansado até para atender ao telefone. Fomos para a UPA, ele fez radiografia e acabou ficando internado por lá. No dia seguinte minha irmã recebeu alta, mas meu irmão foi transferido para o Hospital do Trabalhador, foi internado na UTI. Os médicos me falavam que havia a possibilidade dele ser entubado. Senti muito medo”, desabafa.

Na semana passada, Lisianne parou de ter febre, mas os demais sintomas não diminuíam. “Em contraponto, minha mãe teve alta e no outro dia meu pai também. Contei aos meus pais sobre o estado de meu irmão e o risco que estava correndo. Minha mãe teve uma piora e na última sexta-feira (17) foi internada novamente diagnosticada com embolia pulmonar e está em tratamento”.

No domingo (19), o irmão dela saiu da UTI e nesta quinta-feira (23) recebeu alta. O tio apresentou melhora por algum tempo, mas infelizmente não resistiu. E como se não bastasse perder um ente querido, em tempos de pandemia não há espaço para despedidas. “Dia 22 de julho, quarta feira, recebemos a pior notícia, meu tio havia falecido. Não haveria nenhum tipo de homenagem, nem rápida, o enterro é classificado como ‘direto’, não há direito de nenhum familiar ver o falecido, o corpo sai do hospital e, no caso dele, foi direto para o crematório”, relata Lisianne.

A mensagem que ela deixa a todos é enfática. “Se cuidem, cuidem de quem vocês amam. É impossível saber se vai ser acometido com a forma leve ou a forma grave da doença. E posso garantir que ficar doente é ruim, mas é o de menos; muito pior é ver quem amamos sofrendo”, conclui.

fonte: bandab

Os cuidados são essenciais a fim de prevenir a Covid-19 e evitar o crescimento no número de mortes

Desde o mês de março, quando teve início a pandemia pelo Coronavírus, foi necessário adotar hábitos de higiene com os quais não estávamos acostumados. O uso de máscaras, tão comum em alguns países, se tornou obrigatório e, porque não dizer, essencial também por aqui, na rotina de trabalho, ao fazer compras ou mesmo para deslocamentos em vias públicas.

Contudo, não foram somente as máscaras que surgiram em nosso cotidiano. O uso tão frequente do álcool em gel, a etiqueta respiratória e o isolamento social passaram a fazer parte de nossas vidas em meio à pandemia. Medidas de higiene e proteção que são sinônimo de cuidado consigo e com o próximo e que podem salvar vidas.

De acordo com a gerente de Infectologia e Vigilância Epidemiológica, Dielli Bondan dos Reis, as medidas não devem ser negligenciadas, pois são estas pequenas atitudes que garantem a não circulação do vírus. “Evitar o contágio requer hábitos simples que deveríamos levar mais a sério. É importante que todos façam a sua parte. Lavar as mãos, evitar aglomerações, não compartilhar utensílio e objetos pessoais, entre outras atitudes podem evitar o contágio”, explica.

Além dessas recomendações, é sempre indicado manter os ambientes bem ventilados, inclusive no inverno. “Algumas pessoas tem o hábito de descuidar desse detalhe. Abrir as janelas e deixar o ar circular, por mais que esteja frio, é fundamental para cuidar da saúde de uma maneira geral”, recomenda.

“Neste momento, pedimos que a população também nos auxilie no monitoramento dos familiares com sintomas respiratórios. A Covid-19, na maioria dos casos, apresenta sintoma leve, mas pode levar para a UTI um idoso ou portador de comorbidade. Muitas pessoas que deveriam estar em isolamento não veem problema em ir ao banco, ao supermercado, à farmácia, mesmo aguardando o resultado do exame. Reforçamos que não podemos negligenciar o cuidado em relação aos outros”, relata.

Por se tratar de uma doença de tão fácil contaminação são de extrema necessidade as adoções de simples atitudes. Entre elas, além das já citadas anteriormente, vale destacar:

-Limpe os objetos mais manuseados com álcool gel;

-Ao tossir ou espirrar, cubra a boca e o nariz com o braço ou com um lenço descartável;

-Não toque no nariz, boca ou olhos antes de lavar as mãos;

-Não cumprimente as pessoas com abraços, beijos e apertos de mão.

Serviço

Em caso de dúvidas sobre o Coronavírus acesse o site https://coronavirus.pinhais.pr.gov.br/ ou entre em contato com a Secretaria Municipal de Saúde pelo número (41) 98814-6838, de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h.

 

 

A ação realizada nesta terça-feira (21) aconteceu em duas avenidas importantes do município: Camilo Di Lellis e Jacob Macanhan

Nesta terça-feira (21), foi realizada mais uma Blitz Sanitária em Pinhais. Promovida nas principais vias da cidade, a ação tem o objetivo de conscientizar as pessoas sobre os cuidados e forma de prevenção ao novo Coronavírus.

A Blitz foi realizada em dois pontos diferentes do município. No período da manhã, na Avenida Camilo Di Lellis, em frente às agências bancárias. O outro, na parte da tarde, na Av. Jacob Macanhan, no Jardim Claudia. A iniciativa conta com o trabalho em conjunto da Secretaria Municipal de Saúde, Guarda Municipal e Defesa Civil.

Durante as blitze, as Agentes Comunitárias de Saúde fazem a aferição da temperatura dos motoristas e passageiros, e os guardas entregam o material “Pinhais contra o Coronavírus”, além de darem informações educativas e orientações ao público.

Para acompanhar todas as medidas e ações adotadas pelo município no combate a doença, acesse o site: coronavirus.pinhais.pr.gov.br.

Via ganha outras melhorias, como revisão no sistema de drenagem

 

Desde a última semana a Prefeitura de Pinhais realiza as obras de pavimentação definitiva na Rua Paulo Roberto Cordeiro, no bairro Pineville. Com aproximadamente 1 km de extensão, a via está localizada entre a praça próximo a Avenida Jacob Macanhan e até a Rua Jurandir Antunes. 

Os trabalhos realizados pela equipe Secretaria Municipal de Obras Públicas (Semop) contam com, além da nova pavimentação em substituição a de paralelepípedo, revisão no sistema de drenagem, substituição de meio fios e as obras serão finalizadas com pintura e instalação de placas de trânsito. 

A opção está disponível no site da prefeitura ou pelo endereço eletrônico www.pinhais.pr.gov.br/agendamento_detran

O Posto de Atendimento do Detran em Pinhais está atendendo a população presencialmente somente por meio de agendamento. Para quem buscar por alguns dos serviços do departamento, a opção é marcar o dia e horário pela internet. O agendamento está disponível no site da prefeitura ou pelo endereço eletrônico www.pinhais.pr.gov.br/agendamento_detran.

A unidade do Detran do município oferece o atendimento para 16 opções de serviços: Certidão ANTT, Certidão de Propriedade, Certidão de Registro de Veículo, Comunicação de Venda e Emissão 2º Licenciamento (Alteração de Características, Alteração de Dados, Autorização Laudo CSV (Inmetro), Baixa de Veículo, Conversão Placa Mercosul, Desbloqueio de Veículo, Emissão 2ª Via CRV, Primeiro emplacamento, Solicitação Prévia para Alteração de Características, Transferência de Propriedade de Veículo e Vistoria Lacrada).

Ao marcar o agendamento a recomendação é comparecer no dia e horário com o protocolo. Já para quem solicitou alguns dos serviços de Emissão de 2º Licenciamento, é solicitado que compareça com pelo menos uns 15 minutos de antecedência para realizar a vistoria.

O departamento ressalta que todos os processos referentes à Carteira de Habilitação (CNH) são realizados exclusivamente pela 1ª Ciretran de Curitiba. Os interessados sobre o assunto podem entrar em contato pelo telefone 0800 643 7373 ou pelo site www.detran.pr.gov.br. Outra questão é que no momento, a unidade de Pinhais não emite os extratos e guias de IPVA, Licenciamento e multas para o público. A orientação para quem necessita de um destes documentos é acessar o link (https://www.extratodebito.detran.pr.gov.br/detranextratos/geraExtrato.do?action=iniciarProcesso) para conferir as informações e fazer a impressão.

O gerente do Posto de Atendimento do Detran de Pinhais, Daniel Sandro Taborda Ribas, explica que pela internet o interessado pode marcar o atendimento, sendo disponibilizada uma agenda com os próximos oito dias e mais de 30 opções de horários que são ofertados diariamente. Esta nova alternativa tem a intenção de proporcionar maior facilidade e praticidade ao público que busca pelos serviços. “O Posto do Detran tem trabalho com agendamento para atender melhor a população tendo em vista que estamos passando por este momento de pandemia. Quem tiver dúvidas pode entrar em contato que orientamos por telefone sobre os diversos serviços”, disse.

Serviço

O Posto de Atendimento do Detran de Pinhais está situado na rua Europa, s/n, Centro, ao lado da Secretaria de Urbanismo. O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h. O telefone de contato é o (41) 3912-5160.

 

As novas opções para pagamento de compras eram uma demanda antiga dos usuários e vem para oferecer maior praticidade, facilidade e segurança

O Armazém da Família de Pinhais oferece às pessoas que estão cadastradas novas opções para pagamento. A partir desta terça-feira (21), o estabelecimento aceitará o pagamento com cartão de débito e alimentação.

O novo sistema foi implantado e permite ao usuário utilizar o cartão de débito e o cartão alimentação das bandeiras Triocard, Life, Sulcard, Personal net, Abrapetite, Brasil Convênios e Senff. Outra opção também aceita no armazém é o Cartão Comida Boa, programa do Governo Estadual que libera o valor de R$50,00 para famílias em situação de vulnerabilidade fazerem compras de produtos alimentícios durante a pandemia do novo Coronavírus.

As novas opções para pagamento de compras eram uma demanda antiga dos usuários e vem para oferecer maior praticidade, facilidade e segurança.

No Armazém da Família, as pessoas cadastradas podem fazer suas compras gastando o valor máximo de R$ 1.045,00 (um salário mínimo) por mês.

Cadastro

Quem tem interesse em participar do programa deve atender alguns requisitos para se inscrever. É necessário ter renda bruta familiar de no máximo R$ 3.333,55, morar no município e apresentar um comprovante de endereço atual, RG, CPF, carteira de trabalho, comprovante de renda e não ter CNJP ativo. Entretanto, em virtude do atual momento da pandemia, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico permite que MEI (Micro Empreendedor Individual), que está dentro das exigências do programa, se cadastre e faça suas compras.

Os interessados em se cadastrar precisam se dirigir ao prédio do Armazém da Família. O atendimento é realizado de segunda a sexta-feira no horário das 8h às 17h. Para solicitar informações ou pedir esclarecimento sobre o procedimento, entre em contato pelo (41) 3912-5782.

Serviço

O Armazém da Família de Pinhais está localizado ao lado do Terminal Metropolitano, na Rua América do Sul, 682, Centro.  Os usuários podem fazer suas compras de terça à sexta-feira, no horário das 8h30 às 17h, e aos sábados, das 8h30 às 13h. O telefone de contato é o 3912-5781.

PUBLICIDADE LEGAL

 

PUBLIQUE SÚMULAS

FALE CONOSCO

[email protected]

(41) 36638447

41-99690-0125

 

CONTATO COMERCIAL

atendimento pelo email:

[email protected]

 

Visitantes

004318696
Hoje
Ontem
Ultima Semana
Ultimos Mêses
Este Mês
Último Mes
Total Geral
874
2013
14141
4293188
44883
59940
4318696

Your IP: 162.158.187.91
Server Time: 2020-10-24 11:53:18

Facebook