O Jornal mais lido de Pinhais

Get Adobe Flash player

Emancipada no ano de 1992, Pinhais comemora 29 anos no dia 20 de março de 2021. É o menor município do Paraná em extensão territorial e possui aproximadamente 134 mil habitantes.

Prefeituras da RMC decretam fechamento do comércio e serviços por causa do  coronavírus - Bem Paraná

 

Pinhais é um município brasileiro do estado do Paraná, localiza-se na Região Metropolitana de Curitiba. Tornou-se oficialmente um município em 1992, quando emancipou-se do município de Piraquara. Mesmo sendo o menor dos 399 municípios paranaenses,5 em área territorial, com 60,92 km², figura entre as 14 cidades mais populosas do estado, com uma população de 134 mil habitantes.

Pinhais se destaca no cenário nacional e estadual, em uma pesquisa realizada pela revista Exame, a cidade foi relacionada entre as 100 melhores cidades brasileiras para se fazer negócios, é a 14° maior economia do Paraná, consolidando-se como um importante pólo de serviços e comércio da região. Destaca-se também por possuir o 14° melhor IDH3 do Paraná, mais recentemente foi apontada como tendo o 3° IFDM do estado, índice elaborado pela FIRJAN – Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro que mede a qualidade de vida dos municípios brasileiros.

No cenário regional destaca-se por abrigar o Autódromo Internacional de Curitiba, o Expotrade, um dos maiores Centros de Convenções e Exposições do estado, a Granja do Canguiri, Residência Oficial do Governador do Paraná e por seus grandes condomínios horizontais, dentre os quais destacam-se o complexo Pineville e os loteamentos Alphaville Graciosa e Alphaville Pinheiros, ambos às margens da centenária Estrada da Graciosa.

Histórico

Por sua proximidade com Curitiba, o território do atual município de Pinhais acompanhou o correr dos fatos, durante a ocupação e desenvolvimento do planalto curitibano, tendo como centro a capital paranaense. Foi importante a construção da ferrovia Curitiba-Paranaguá, cortando a região na direção leste. Nas imediações de onde se situa a empresa Brasholanda, havia uma indústria cerâmica, de propriedade da família do sr. Joaquim Torres. A empresa foi adquirida, em meados de 1920, sob hipoteca, por Guilherme Weiss, que aperfeiçoou a técnica de produção. O conde Humberto Scarpa, genro de Guilherme Weiss, herdou a cerâmica, mantendo a produção até 1960. Mais tarde, organizou a imobiliária Rui Itiberê da Cunha, parcelando e pondo à venda as áreas de Weissópolis, Vargem Grande, Vila Esplanada e Vila Tarumã.

A história recente do município de Pinhais, liga-se com a história da ocupação urbana de Curitiba. Tendo como referência as políticas desenvolvimentistas adotadas no Brasil, em meados da década de 1950 em diante, o norte do Paraná foi cenário da expansão agrícola, inicialmente com o plantio de cafezais. O estímulo à agricultura graneleira (soja, trigo, milho e algodão), expandiu vertiginosamente a ocupação de terras no Estado, especialmente no norte novo e sudoeste, nas décadas de 1960 e 1970, consolidando o Paraná como o “Celeiro do Brasil”.

Esta agricultura expansiva, aliada à pecuária de corte, assentou-se na lavoura mecanizada, na formação de latifúndios, dispensando a mão-de-obra. Os trabalhadores rurais e mais os pequenos camponeses, expulsos do campo, viram-se na contingência de procurar a cidade, sempre num movimento da pequena para a média, e das médias cidades para os grandes centros urbanos.

Assim o município de Curitiba foi recebendo contingentes populacionais do interior do Estado, assim como de Santa Catarina, nestas últimas três décadas. Vinham atrás de empregos e outras oportunidades oferecidas pela grande cidade. Aliado a esses fenômenos, o controle do uso do solo urbano, desenvolvido pelo município de Curitiba, foi elevando o custo da terra, centrifugando a população de menor renda para a periferia, cada vez mais distante. Este processo de periferização atingiu as áreas limítrofes dos municípios vizinhos ao da capital, incluindo aí o atual município de Pinhais. Atualmente Pinhais constitui-se em um dos mais industrializados municípios do Estado.

Pela Lei Estadual nº 4.966, de 19 de novembro de 1964, sancionada pelo governador Ney Aminthas de Barros Braga, foi criado o Distrito Administrativo de Pinhais, e em 18 de março de 1992, através da Lei Estadual nº 9.906, assinada pelo governador Roberto Requião de Mello e Silva, o distrito foi elevado à categoria de município emancipado, cuja instalação deu-se em 1º de janeiro de 1993.

Leia mais...

Espaço receberá o descarte correto e voluntário de materiais não mais utilizados

 

A Prefeitura de Pinhais, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), realiza a construção do EcoPonto - espaço adequado para o descarte correto e voluntário de materiais como móveis, entulhos, caliças, pneus, eletrônicos, entre outros.

Localizado no pátio da Semma, o local estará adequado para receber materiais não mais usáveis e que são comumente jogados irresponsavelmente nos rios, terrenos baldios ou em vias públicas. O objetivo do EcoPonto é a destinação correta desses materiais, contribuindo com o meio ambiente e com a limpeza em Pinhais.

O descarte irregular de lixo é crime, prejudica muito a cidade e pode ser determinante para causar enchentes em dias de chuvas fortes, além de contribuir com a proliferação de animais peçonhentos e transmissores de doenças. 

Denuncie descarte irregular de materiais: (41) 3912-5236.

Para o secretário, não tem como uma administração pública ver moradores morrendo na fila por um leito hospitalar e não fazer nada

 

Enquanto Curitiba, Pinhais, Campo Largo e Araucária decidiram pelo fechamento do comércio no período de uma semana para frear o avanço da covid-19, cidades como São José dos Pinhais, Quatro Barras e Piraquara mantiveram as atividades não essenciais, com as restrições do decreto estadual. Com isso, municípios separados por ruas não seguirão as mesmas medidas, o que, para o secretário de Governo de Pinhais, Ricardo Pinheiro, é de se lamentar.

 

Em entrevista à Banda B, na manhã desta terça-feira (16), Pinheiro disse que fica difícil para a Prefeitura de Pinhais explicar ao comerciante a necessidade de fechar agora, já que o município vizinho decidiu não restringir. “Fica constrangedor para nós e é de se lamentar cidades vizinhas não tomarem as mesmas medidas, já que estão na mesma gestão de leitos. Se não fecharmos agora, amanhã quem vai ser o cliente do comércio? É quase impossível você, hoje, não conhecer alguém que faleceu com a covid-19. O pessoal precisa se conscientizar agora”, disse Pinheiro.

 

O secretário acredita que, mesmo com o comércio aberto, é irreal achar que o consumo será o mesmo, já que grande parte da população está ciente do momento e não vai sair de casa. “Pela análise que nosso departamento de Comunicação faz, a população em geral quer a medida restritiva agora. É uma decisão difícil, mas nós temos que tomar como base vários fatores. Adianta manter uma situação descontrolada por um longo tempo?”, questionou.

Para o secretário, não tem como uma administração pública ver moradores morrendo na fila por um leito hospitalar e não fazer nada. “Nós estamos hoje sofrendo, com pessoas aguardando leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) nas nossas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento). Nesta última semana, morreram cinco pessoas à espera de um leito em Pinhais. É preciso o distanciamento social para não se agravar ainda mais e seguimos também torcendo para que o Governo Federal agilize a vacinação”, ponderou.

Apoio ao comerciantes

Sabendo que o fechamento de uma semana pode acarretar em prejuízo ao comerciante, o secretário de governo disse que a administração trabalha com medidas para o setor. “Estamos encaminhando projeto de lei para prorrogar o IPTU e vencimento de ISS, que são tributos municipais. Preparamos também um plano de retomada da econômica, para ajudar o setor que vem sendo prejudicado há um ano, porque mesmo sem lockdown o consumo diminuiu”, concluiu.

 

Bombeiros controlaram as chamas, no início da noite desta terça-feira (16); segundo o Simepar, vento soprando do leste transportou fumaça para a região da capital.

A fumaça causada por um incêndio em uma propriedade em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, atingiu mais de 10 bairros da capital, no final da tarde e início da noite desta terça-feira (16).

Segundo a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros, o incêndio começou por volta das 17h30, em uma área na Alameda dos bosques, próxima à Represa do Iraí. O fogo foi controlado, e não houve feridos.

Moradores registraram a nuvem de fumaça densa e relataram cheiro forte em diversos bairros de Curitiba: Centro, Mercês, Alto da XV, Batel, Centro Cívico, Rebouças, Pilarzinho, Tarumã, Campina do Siqueira, Bigorrilho, Cajuru, Capão da Imbuia, Juvevê, entre outros.

Fumaça causada por incêndio em Pinhais atingiu bairros de Curitiba, nesta terça-feira (16) — Foto: Reprodução/RPC

Fumaça causada por incêndio em Pinhais atingiu bairros de Curitiba, nesta terça-feira (16) — Foto: Reprodução/RPC

 

Novo decreto com medidas mais restritivas é publicado em Pinhais

 

As novas regras têm o objetivo de conter o avanço de casos de Covid-19 

 

Após reunião do Fórum Metropolitano de Combate à Covid-19, nesta segunda-feira (15), a Prefeitura de Pinhais resolveu adotar decreto mais restritivo semelhante ao publicado pela Capital. 

 

O novo decreto tem validade a partir do dia 16 e segue até o dia 21 de março, com o objetivo de tentar conter o avanço de casos da Covid-19. 

 

Atividades suspensas

  • Funcionamento das atividades e serviços não essenciais, em todas as modalidades de atendimento;
  • Reuniões com aglomeração de pessoas, incluindo eventos, comemorações, assembleias, confraternizações, encontros familiares ou corporativos, em espaços de uso público, localizados em bens públicos ou privados;
  • Parques, bosques e praças, sendo vedada a prática de toda e qualquer atividade individual ou coletiva em suas instalações;
  • Espaços de prática de atividades esportivas individuais e coletivas, localizados em praças e demais bens públicos ou privados, estendendo-se a vedação aos clubes sociais e desportivos, condomínios e áreas residenciais;
  • Consumo, em espaços de uso público ou coletivo, de bebidas alcoólicas.

 

Atividades essenciais com restrições

  • Restaurantes, lanchonetes e venda de assados: das 10h às 23h, em todos os dias da semana, apenas nas modalidades de entrega (delivery), e retirada em balcão (take away), ficando vedado, em todos os dias da semana, o consumo no local;

  • Panificadoras, padarias e confeitarias de rua: das 6h às 20h, de segunda a sábado, aos domingos das 7h às 18h, ficando vedado, em todos os dias da semana, o consumo no local;

 

Das 7h às 18h, de segunda a sábado, sendo autorizado aos domingos apenas o atendimento na modalidade delivery até as 20h, ficando vedado em todos os dias da semana, o consumo no local, para os seguintes estabelecimentos e atividades:

  • Comércio varejista de hortifrutigranjeiros, quitandas, mercearias, distribuidoras de bebidas, peixarias e açougues;

  • Mercados, supermercados e hipermercados;

  • Comércio de produtos e alimentos para animais;

  • Atividades de construção em geral, inclusive as Iojas: das 9h às 18h, em todos os dias da semana, apenas nas modalidades de entrega (delivery e drive thru) e retirada em balcão (take away);

  • Hotéis, resorts, pousadas e hostels: em todos os dias da semana;

  • Serviços de call center e telemarketing vinculados a serviços essenciais: a partir das 9h, e com até 50% da sua capacidade de operação;

  • Estéticas, salões de beleza e barbearias, mediante prévio agendamento e atendimento individual, das 9 às 18 horas, em todos os dias da semana. 

 

Nos estabelecimentos como supermercados, panificadoras, mercearias, restaurantes, lanchonetes e afins, é permitida apenas a comercialização de produtos essenciais (alimentos, bebidas, higiene e limpeza) para humanos e animais, devendo os demais setores serem isolados. 

 

Também, pelo decreto fica proibida a circulação de pessoas, no período das 23 às 5 horas, em espaços e vias públicas, salvo em razão de atividades ou serviços essenciais e casos de urgência. 

 

 

Linha de crédito oferece empréstimo de até R$ 5 mil para empreendedores

Em Pinhais, os empreendedores que desejam adquirir a linha de crédito devem entrar em contato pelo telefone (41) 3912-5647

 

Em virtude dos impactos econômicos gerados pela pandemia, a Fomento Paraná inicia a partir de segunda-feira (15), algumas medidas para auxiliar os empreendedores do estado.

A Fomento Paraná, que é uma instituição financeira, promove alguns programas para recuperação de crédito/cobrança, suspensão de pagamentos e renegociação.

Entre os programas, destaque para a “Paraná Recupera 2” que vai oferecer crédito para a manutenção de empregos e renda de empreendedores informais, MEI, Micro e Pequenas Empresas. O programa tem um limite total de R$10 milhões.

A modalidade é exclusiva para novos clientes, sendo que empreendedores informais poderão adquirir até R$1.500,00 e empreendedores formais até R$ 5.000,00. O diferencial é além de uma taxa de juros de 0,36% ao mês, é a carência de 12 meses e o pagamento em até 24 meses. Por exemplo, um empréstimo de R$ 5 mil em 24 vezes, teria uma parcela mensal de R$227,80.

Os interessados devem consultar o sitewww.fomento.pr.gov.br ou entrar em contato com a rede de parceiros, os agentes de crédito nos municípios para verificar os procedimentos e a documentação necessária. Em Pinhais, os empreendedores que desejam adquirir a linha de crédito devem entrar em contato com o Banco do Empreendedor, pelo telefone (41) 3912-5647.

Novas normas serão publicadas na próxima segunda-feira (15) pela manhã e terão validade imediata após a sua publicação

 

A gestão municipal de Pinhais entendendo a gravidade nacional com a pandemia da Covid-19, com a falta de leitos e sendo solidário com todos os municípios da Região Metropolitana de Curitiba (RMC), publicará na próxima segunda-feira (15) pela manhã, e com validade imediata após a sua publicação, um novo Decreto de combate à Covid-19, o qual seguirá as novas recomendações do Governo do Estado para a Região para a RMC.

 
As novas regras serão adotadas por todas as cidades da RMC após reunião emergencial que aconteceu na manhã deste sábado (13) com representantes da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Curitiba (Assomec), a qual debateu o Decreto de Bandeira Vermelha adotada pela Prefeitura de Curitiba na noite de ontem (12), com medidas mais restritivas, e que aconteceu sem o conhecimento dos prefeitos da grande Curitiba.
 
Esta reunião on-line contou com a participação de gestores de Pinhais, de representantes dos municípios que compreendem a grande Curitiba e do secretário Estadual de Saúde, Beto Preto. De acordo com a secretária de Saúde de Pinhais, Adriane Jorge, o momento é crítico, por isso nosso município e as cidades da RMC vão seguir as medidas adotadas pela capital paranaense.

A iniciativa da Prefeitura de Pinhais se inspira em experiências bem sucedidas realizadas em outros períodos pandêmicos

 

A Prefeitura de Pinhais, por meio da parceria entre as Secretarias Municipais de Urbanismo e de Saúde, desenvolve um projeto que contempla o mapeamento do cadastramento da população e distribuição das vacinas contra a Covid-19. A iniciativa se inspira em experiências bem sucedidas realizadas em outros períodos pandêmicos.

Neste procedimento, os munícipes idosos e portadores de comorbidades, definidos como o alvo inicial na distribuição de imunizantes, realizam seu cadastro de solicitação de vacinação. Nele, além de preencher seus dados pessoais, escolhem a forma preferencial para se imunizar: visitação do agente de saúde, deslocamento até o local de vacinação ou sistema drive-thru.

De acordo com a arquiteta e urbanista, diretora do Departamento de Planejamento Urbano, Yoná Lemos Ruthes, essas informações são elaboradas, completadas, corrigidas e mapeadas, visando devolvê-las à Secretaria de Saúde de maneira rápida e prática, separadas de acordo com a área de abrangência de cada Unidade de Saúde da Família do município. 

“O objetivo deste projeto é que ninguém venha a ser esquecido ou descartado por falta de informações neste processo. Os maiores desafios estão na interpretação e localização dos endereços não oficiais, como as áreas de ocupação irregular, registros sem ligação com a cartografia que precisam ser criados manualmente, bem como as numerações prediais postas em desacordo com o cadastro municipal”, explica Yoná.

“A partir de cada levantamento diário de dados dos novos cadastros feitos nos formulários de solicitação de vacinas, é necessário rodar diversas linhas de programação para corrigir as grafias e converter os endereços preenchidos em um código de ligação com os pontos de localização de cada endereço válido no município. Para a devolução dos dados à Secretaria de Saúde foi configurado um serviço de Webmap, onde fica visualmente clara a distribuição deste cadastramento sobre o território municipal, ressalta Yoná.

Inspiração

Em 1854, na cidade de Londres ocorreu um histórico controle pandêmico iniciado por John Snow, um epidemiologista que cartografou os poços e bicas d’água, identificando e relacionando-os aos casos de cólera que assolavam a Europa. A pandemia de cólera ceifou mais de 1 milhão de vidas entre os anos de 1846 e 1860 e a experiência de John Snow possibilitou o entendimento e o controle do contágio desta doença.

“Esta forma rudimentar de geoprocessamento, aliando os dados epidêmicos e a cartografia local, mostrou-se uma ferramenta essencial na análise no controle e no enfrentamento de doenças e crises sanitárias. Afinal, observar a distribuição espacial dos casos, por meio de um mapeamento seguro e preciso, possibilita a otimização dos recursos e direciona as ações”, conclui Yoná.

O resultado, segundo as equipes de saúde, é o agradecimento e reconhecimento por parte das famílias e idosos

Respeito, segurança e um olhar sensível. Estes três aspectos podem ser citados diante da estratégia da Secretaria Municipal de Saúde de Pinhais, ao vacinar os idosos com mais de 75 anos em suas casas. O processo de imunização deste grupo prioritário já contemplou 181 idosos com mais de 90 anos e 1.104 com mais de 80, além dos residentes em instituições de longa permanência que somam 74 doses aplicadas. 

A secretária de saúde de Pinhais, Adriane da Silva Jorge Carvalho, explica que desde o início da imunização houve o entendimento de que o público de idosos, acima de 75 anos, que está contemplado na primeira fase poderia, tranquilamente, ser imunizado em suas casas pelas equipes de saúde. “Usamos esta estratégia, primeiramente, para não ter esse usuário saindo de casa, além de evitar a exposição desta pessoa e familiar por se dirigirem até a unidade de saúde, local onde estão sendo atendidos pacientes suspeitos e positivos para Covid-19. Outra questão, é que muitos estão acamados ou têm alguma limitação para se locomover”, explica a secretária. 

O resultado, segundo as equipes de saúde, é o agradecimento e reconhecimento por parte das famílias e idosos. Além disso, a distribuição das vacinas tem sido mais ágil. “Buscamos, com essa estratégia, ser mais ágeis, uma vez que quando chegam as vacinas já temos esse usuário cadastrado, as unidades já conhecem e fazem uma força tarefa e vão para rua. Então, esta forma de vacinar deu muito certo, a nossa avaliação foi bem positiva, porque vamos com muita segurança, os profissionais vacinadores já estão imunizados e utilizam equipamentos de proteção”, finaliza a secretária. 

Desde a última sexta-feira (5) a Secretaria de Saúde começou a imunização dos idosos com 81, 80 e 79 anos.

Remessa é formada pela metade do lote encaminhado na terça-feira (09) pelo Governo Federal, com 74.300 aplicações, e mais um residual com 5.530 doses da remessa da semana passada.

Paraná recebe 148,6 mil doses de vacinas contra Covid-19 em nova remessa do Ministério da Saúde — Foto: Geraldo Bubniak/AEN

O Governo do Estado começou a distribuir nesta quarta-feira (10) um novo lote de vacinas contra a Covid-19. São 79.630 doses do imunizante CoronaVac, produzido pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo.

A remessa é formada pela metade do lote encaminhado na terça-feira (09) pelo Governo Federal, com 74.300 aplicações, e mais um residual com 5.530 doses da remessa da semana passada.

A maior parte das vacinas saiu no início da noite do Aeroporto do Bacacheri, em Curitiba, em um avião que pertence à Casa Militar, com destino ao Interior do Estado. Os imunizantes servirão para abastecer 15 das 22 regionais que integram o sistema público de Saúde do Paraná.

As outras sete divisões da Secretaria de Estado da Saúde, formadas pelos municípios mais próximos da Capital, retiram as doses nesta quinta-feira (11) diretamente no Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), em Curitiba. O transporte será feito por via terrestre.

Seguindo o Plano Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde, o novo lote foi subdividido em três partes: 39.940 aplicações estão reservadas para continuar a vacinação de idosos entre 80 e 84 anos; 31.180 doses foram separadas para quem tem entre 75 e 79 anos e, por fim, outras 8.510 vacinas vão para os trabalhadores da saúde.

“Ainda não é o número suficiente de vacinas que estamos esperando, mas significa um avanço. Temos capacidade e condições para vacinar até 250 mil doses por dia assim que tivermos todas as doses”, destacou o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

Ele lembrou que o Governo Federal encaminhou na terça-feira (09) um conjunto de 148.600 aplicações de vacina contra o coronavírus. Com essa remessa, o Estado ultrapassa a marca de 1 milhão de doses recebidas, chegando a 1.001.600 vacinas.

“A expectativa é que até o início da próxima semana nos enviem mais uma quantidade parecida com essa, e assim sucessivamente. Devemos atingir em torno de mais um milhão de doses apenas em março, com possibilidade de novos laboratórios se integrarem ao Plano Nacional de Imunização”, disse Beto Preto.

ARMAZENAMENTO – O restante das aplicações, também com 79.630 doses, seguirá armazenadas no Cemepar para garantir a imunização por completo de quem receber a primeira dose – o intervalo entre aplicações é de 15 a 28 dias, segundo a bula do medicamento.

De acordo com o Plano Estadual de Vacinação, seguindo a ordenação por grupos prioritários, a previsão do Paraná é de vacinar cerca de 4 milhões de pessoas até maio. “O cenário é difícil. Apesar de todo o esforço do Paraná com a maior abertura de leitos da história, não temos mais equipes e equipamentos. Apelo para o bom senso dos paranaenses”, afirmou o secretário.

Confira a quantidade de doses que cada Regional de Saúde vai receber:

1ª RS – Paranaguá – 1.730 doses

2ª RS – Metropolitana – 20.260 doses

3ª RS – Ponta Grossa – 4.080 doses

4ª RS – Irati – 1.540 doses

5ª RS – Guarapuava – 2.580 doses

6ª RS – União da Vitória – 1.220 doses

7ª RS – Pato Branco – 2.230 doses

8ª RS – Francisco Beltrão – 2.610 doses

9ª RS – Foz do Iguaçu – 2.580 doses

10ª RS – Cascavel – 3.720 doses

11ª RS – Campo Mourão – 2.880 doses

12ª RS – Umuarama – 2.750 doses

13ª RS – Cianorte – 1.290 doses

14ª RS – Paranavaí – 2.640 doses

15ª RS – Maringá – 6.250 doses

16ª RS – Apucarana – 2.970 doses

17ª RS – Londrina – 7.340 doses

18ª RS – Cornélio Procópio – 2.320 doses

19ª RS – Jacarezinho – 2.490 doses

20ª RS – Toledo – 3.160 doses

21ª RS – Telêmaco Borba – 1.600 doses

22ª RS – Ivaiporã – 1.390 doses

TOTAL – 79.630 doses.

 

Decisão foi anunciada pelo governador Ratinho Junior e pelo secretario de Saúde, Beto Preto, nesta sexta-feira (5); a partir de 5h de quarta-feira, decreto prevê abertura de comércio e retorno das aulas.

   fonte: G1

O governo do Paraná prorrogou, nesta sexta-feira (5), as medidas restritivas para tentar conter o avanço da pandemia do coronavírus no estado. O novo decreto vale até 5h de quarta-feira (10).

O novo decreto foi anunciado pelo governador Ratinho Junior (PSD) e pelo secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. O decreto anterior, publicado na sexta-feira (26), tinha validade até segunda (8).

Com isso, fica prorrogado o toque de recolher das 20h às 5h, o fechamento das atividades não essenciais e a suspensão das aulas presenciais no Paraná.

Também permanece proibida a venda de bebidas alcoólicas no estado no horário do toque de recolher, conforme o anúncio.

 

 

As medidas foram tomadas por causa do aumento expressivo do número de casos de Covid-19 e em razão da alta taxa de ocupação de leitos nos hospitais de todo o estado. Nesta sexta-feira, a ocupação dos leitos de UTI para adultos, pela rede pública de saúde, é de 96%.

 

"Queremos que as pessoas circulem de manhã, para evitar aglomerações no transporte coletivo. Continua o toque de recolher a partir das 20h, assim como a proibição de venda de bebidas alcoólicas no mesmo horário", ressaltou o governador.

 

 

O que muda a partir de quarta?

 

Por uma semana, de quarta-feira (10) até 17 de março, o decreto prevê flexibilização de alguns serviços e outras mudanças. Veja os detalhes:

 

  • Serviços não essenciais, como o comércio: poderá abrir novamente, das 10h às 17h;
  • Aulas presenciais: escolas e universidades particulares, em modelo híbrido, podem voltar às aulas a partir de quarta-feira (10). Na rede pública, o retorno está previsto para a segunda-feira (15). A taxa de ocupação das salas de aula não pode ultrapassar 30% da capacidade;
  • Academias: podem voltar a atender, das 6h às 20h, de segunda à sexta-feira, com limite de 30% de ocupação;
  • Shoppings: podem reabrir, das 11h às 20h, de segunda à sexta-feira, com limite de 50% da capacidade;
  • Cinemas, eventos, museus, festas, reuniões com aglomeração, confraternizações familiares ou de empresas, reuniões: suspensas;
  • Atividades essenciais continuam liberadas.                           

 

PUBLICIDADE LEGAL

 

PUBLIQUE SÚMULAS

FALE CONOSCO

[email protected]

(41) 36638447

41-99690-0125

 

CONTATO COMERCIAL

atendimento pelo email:

[email protected]

 

Visitantes

004877599
Hoje
Ontem
Ultima Semana
Ultimos Mêses
Este Mês
Último Mes
Total Geral
1291
3108
17828
4843217
46084
87491
4877599

Your IP: 172.69.63.47
Server Time: 2021-06-20 17:58:07

Facebook